Archive for the ‘Fraudes’ Category

Fraudes ou investigação: algo a se debater

junho 4, 2008

Fraude. (Do lat. fraude) S. f. 1. V. logro (2). 2. Abuso de confiança; ação praticada de má-fé. 3. Contrabando, clandestinidade. 4. Falsificação, adulteração. Golpe. … 10. Manobra desonesta, com o fim de enganar, prejudicar, roubar outrem.

            È inaceitavel a existência de fraudes no meio jornalístico.A autopromoção de “profissionais”da aréa muitas vezes é o principal motivo da existencia de fatos inexistentesm ou até uma foto alterada.Digamos que em nenhuma das areas do estudo humano seja tolerável qualquer tipo de ocorrência que venha ser uma fraude.Porém no meio jornalistico,onde se trabalha exclusivamente com as verdades dos acontecimentos.Um exemplo recente e repercutido nma imprensa brasileira aconteceu quando a produção do programa Domingo Legal, no SBT, exibiu uma entrevista com supostos membros do PCC, que na verdade eram atores.

Outro caso aconteceu no ano de 1992 quanda a rede de televisão norte americana ABC, quando um jornalista falsificou um curriculo e se tornou  “empregado” do supermercado,que era alvo de denuncias de péssimo estado de higiene,elepenetrou ilegalmente conclamou um dos empregados a violar o contrato de trabalho e ser desleal com o empregador.

Os casos suscitam a discussão de diferentes questões. A imprensa pode mentir para descobrir uma verdade? É comum o jornalista telefonar, por exemplo, e se identificar como outra coisa para obter certas informação,em outros casos existe o uso de cameras escondidas.Portanto fica a discussão,deve se separar be a reportagem investigative e as fraudes no jornalismo.

 

 

 

Questão de princípios

maio 1, 2008

Na verdade, o ombudsman, no jornalismo, tem a árdua missão de “criticar” o trabalho de colegas de profissão, e, geralmente, ele é visto como um sujeito arrogante, prepotente e presunçoso – tudo o que certos jornalistas costumam ser, mas que não gostam de ser chamados.
Percebi, na verdade, que o ombudsman do jornal-laboratório da UnB chama a atenção para a questão central da ética jornalística, em si, muito mais do que a fraude, simplesmente. Claro que a fraude é realizada – no caso de uma foto montada, representando um evento ou acontecimento que não existiu -, por pura falta de respeito à profissão jornalística, que preza, acima de tudo, a verdade, mesmo que a um preço caro demais (isso não significa que tal preço seja o extremo de forjar uma notícia que não existe, seja através de um texto mentiroso ou por meio de uma foto simulada).

Outro ponto importante, muito bem lembrado por Fernando Paulino, é a questão da clonagem, a repetição de matérias publicadas nos jornais de circulação diária. De fato, a missão do jornal-laboratório é, na verdade, produzir conteúdo novo, com um diferencial em relação ao que estamos acostumados a ler nos grandes jornais. É uma experiência que deve ser vivenciada pelos acadêmicos, uma oportunidade de publicar fatos importantes, novidade ou mesmo atualidade, mas com relevância para o mundo universitário. Sim, porque deduz-se que por se tratar de um jornal experimental, feito por alunos de comunicação social, deve, justamente, tratar de assuntos que interessem a esse nicho, especificamente, com uma linguagem textual própria. Jamais pode-se conceber um jornal universitário, “produzido por e para jornalistas”, com uma abordagem simplória e medíocre, muito aquém do que se espera de futuros profissionais do ramo.

O caminho da perfeição é longo e árduo, mas deve ser perseguido e aplicado, já, enquanto estudantes, para que mais tarde, já formados e inseridos no mercado de trabalho, possamos ser reconhecidos pela qualidade profissional de nossos trabalhos acadêmicos.

Por Tancredo Junior

Anderson Menatto : Jornalismo sério

maio 1, 2008

Os velhos problemas continuam novos jornalistas que chegam e os jornalistas que já estão no mercado convivem com os mesmo problemas de edição, de fechamento de jornal, o famoso plágio, omissão de noticia e informação improvisada.

Todos esses problemas continuaram a existir, mas cabe aos novos jornalistas que chegam tentar pelo menos diminuir esses problemas ou tentar acabar com eles de vez se posssivel, é sempre bem vindo a criticar ou reclamações sobre tal fato, desde que seja contrutivo e com a intenção de evoluir o meio jornalistico.

Todo os ocorrido aconteceram dentro de um jornal laboratorio de um a universidade conhecida, mas isso ocorre também em redações de radio e TVs, e por experiência propria já vi muitos desses casos acontecerem nada mudar, a pressão que o jornalista sofre acaba influenciando nesses erros, mas em alguns casos e por incompetencia do proprio jornalista.

A falta de apuração de uma informação por varias vezes foi o causador de erros no jornal na qual faço parte e isso pouco foi mudado de la para cá.

Sempre existirão bons jornalista e os maus jornalistas, mas cabe a cada um desses jornalistas tenta se esforça um pouquinho para melhorar a qualidade. das publicações tanto de revistas, jornais, televisão, rádio e webjornalismo.

Se fossem contados todos os erros que já presenciei nesses oito anos na área daria um livro de como não se fazer jornalismo, e uma história pior que a outra.

 

 

 

Por: Anderson Menatto