Jornalismo online, quem diria?

by

Jornalismo na web. Se alguém falasse algo do tipo há dez anos, de certo, não se daria crédito. Como pensar que os tradicionais jornais impressos e as já cotidianas revistas poderiam ganhar formas novas e espaços interativos, como acontece com a internet? Como nossos pais poderiam pensar num mundo de informação onde é possível informar um erro num texto de um jornal, e vê-lo corrigido em menos de cinco minutos, quase que imediatamente após o nosso aviso sobre o erro? Pois é. Tudo isto hoje é magicamente possível. É parte do nosso dia-a-dia.

Mas como há a maravilha descrita no texto, há também os problemas que advém da tecnologia. É óbvio que manter um blog, ganhar dinheiro com ele e ainda exibir conteúdo jornalístico é fascinante. Cuidar de toda essa produção é que é algo, por vezes, um tanto complicado.

Fato é: não há ainda profissionais suficientemente preparados para trabalhar com jornalismo online. Os que já têm seus espaços, com certeza estudaram muito para isto. Não é fácil trabalhar com os feeds, as imagens, os códigos, os links, os vídeos, áudios, e tudo o que o Google ou qualquer grande provedor de serviços online exige e oferece. A informática é hoje ferramenta indispensável para o jornalista que quer conquistar o mercado. Mas será que as universidades, faculdades e cursos diversos estão preparando estes profissionais?

É horrível pensar que dentro da nossa turma há diversas pessoas que têm grandes conhecimentos na área, e outros, que nunca nem sequer tentaram fazer um blog. Além de somente esperar que a faculdade nos entregue num prato com bordas douradas tudo o que precisamos saber sobre a internet, precisamos correr atrás, pesquisar, fazer cursos preparatórios, e também perguntar aos nossos tão sábios amigos das turmas de Sistemas de Informação, Ciência da Computação e similares, tudo o que quisermos saber. Ao contrário do que muitos pensam, eles são muito abertos, e podem ensinar muito. E a função primeira de qualquer jornalista que se preze é sempre buscar a informação. Então, mãos na massa! Sem abandonar o velho mas sempre querido Sr. Jornal Impresso, façamos as graças ao jovem Jornalismo Online. Façamos dele nosso amigo! Com certeza, esta é uma parceria lucrativa.

Por Raquelline Curvelo

Exercício 27/02/2008

Comentário do texto “Você sabe o que é jornalismo online?” de Bia Mansur, publicado no Jornalistas da Web.

Anúncios

Tags: , ,

4 Respostas to “Jornalismo online, quem diria?”

  1. raquelline Says:

    Um comentário da própria autora: EU TENHO QUE APRENDER A LER MIL VEZES OS MEUS TEXTOS ANTES DE PUBLICAR.

    Abaixo, texto com erros corrigidos:

    Webjornalismo, quem diria?

    Jornalismo na web. Se alguém falasse algo do tipo há dez anos, de certo, não se daria crédito. Como pensar que os tradicionais jornais impressos e as já cotidianas revistas poderiam ganhar formas novas e espaços interativos, como acontece com a internet? Como nossos pais poderiam pensar num mundo de informação, onde é possível informar um erro num texto de um jornal, e vê-lo corrigido em menos que cinco minutos, quase que imediatamente após o nosso aviso sobre o erro? Pois é. Tudo isto hoje é magicamente possível. É parte do nosso dia-a-dia.

    Mas como há a maravilha descrita no texto em que me baseio para escrever este comentário (ver link abaixo), há também os problemas que advém da tecnologia. É óbvio que manter um blog, ganhar dinheiro com ele e ainda exibir conteúdo jornalístico é fascinante. Cuidar de toda essa produção é que é algo por vezes, um tanto complicado.

    Fato é: não há ainda profissionais suficientemente preparados para trabalhar com web-jornalismo. Os que já têm seus espaços, com certeza estudaram muito para isto. Não é fácil trabalhar com os feeds, as imagens, os códigos, os links, os vídeos, áudios, e tudo o que o Google ou qualquer grande provedor de serviços on-line pode oferecer. A informática é hoje ferramenta indispensável para o jornalista que quer conquistar mercado. Mas será que as universidades, faculdades e cursos diversos estão preparando estes profissionais?

    É horrível pensar que dentro da nossa turma há diversas pessoas que têm grandes conhecimentos na área, e outros, que nunca nem sequer tentaram fazer um blog. Além de somente esperar que a faculdade nos entregue num prato com bordas douradas tudo o que precisamos saber sobre a internet, precisamos correr atrás, pesquisar, fazer cursos preparatórios, e também perguntar aos nossos tão sábios amigos das turmas de Sistemas de Informação, Ciência da Computação e similares, tudo o quer quisermos saber. Ao contrário do que muitos pensam, eles são muito abertos, e podem ensinar muito. E a função primeira de qualquer jornalista que se preze é sempre buscar a informação. Então, mãos na massa! Sem abandonar o velho mais sempre querido Sr. Jornal Impresso, façamos as graças ao jovem Web-Jornalismo. Façamos dele nosso amigo! Com certeza, esta é uma parceria lucrativa.

    Por Raquelline Curvelo

    Exercício 27/02/2008

    Baseado no texto: “O novo profissional“

  2. mellao Says:

    gostei do seu texto, só que nao concordei com “Pois é. Tudo isto hoje é magicamente possível.” eu diria tecnologicamente possivel, mas tá ótimo 😉

  3. alinefontes Says:

    Rakky, que texto grande!
    Nem li…Brincadeirinha…Sem puxa-saquismo, mas você tá no caminho certo desse tipo de profissional que descreve. Eu não! Ha-ha!!!

    Beijo

  4. raquelline Says:

    É isso aí Leandro!!!

    Valeu pela dica viu moço???

    Ah, outro comentário de mim pra mim mesma!

    RAKKY… APRENDA A DEIXAR AS COISAS MENOS MÁGICAS E MAIS OBJETIVAS!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: